Vocês já pensaram que a porta da geladeira pode ser uma pequena rede social de moradores de uma mesma casa. Pois essa forma de pensar me veio quando lia a sinopse desse livro: A vida na porta da geladeira. Todos usamos a porta da geladeira para deixar recado para os demais moradores da casa, anotar lembretes ou deixar a lista de supermercado. Comprei de presente para a minha dinda pela semelhança (de certa forma) entre a história do livro e a dela.

Clair e sua mãe vivem na mesma casa, mas “conversam” através de recados deixados na porta da geladeira. A mãe, uma médica obstetra, quase nunca está em casa e Clair, uma adolescente de 15 anos também tem seus compromissos. Até que a mãe descobre que está com um câncer de mama. O livro se passa no período de um ano e mostra o conflito de emoções tanto da mãe quanto da filha para com a doença e a tentativa de estreitar os laços entre elas nesse momento complicado.

A inovação aqui é pela forma como ele é escrito: literalmente bilhetes na geladeira. Algumas páginas chegam a ter duas linhas, outras são maiores. Não há narração, apenas a troca de bilhetes. Assim, o livro pode ser lido em um curto espaço de horas. Se você é mãe, ou tem algum parente com a doença na família, prepare o lenço, pois a choradeira é quase garantida. Para resumir o livro, escolhi uma frase da orelha do mesmo: “Um livro sobre arranjar tempo para quem se ama quando o próprio tempo está se esgotando…”

Livro: A vida na porta da geladeira

Autor: Kuipers, Alice

Editora: WMF Martins Fontes

Páginas: 226

Preço médio: R$ 33,60

Anúncios