Eu tinha um professor na época de colégio que adorava nos mostrar filmes com mensagens bonitas para depois fazermos trabalho. Quem estudou no Anchieta, aqui em Porto Alegre, sabe que estou falando das aulas do Ivanor. Conheci muitos filmes lindos nessas aulas, mas um em especial me marcou: Uma lição de amor.

Sei que o filme não é novo, mas é daqueles que é bom de ver e rever pra tirar boas lições e se inspirar para ser alguém melhor. Na história, Sam (Sean Penn) tem problemas mentais e acaba engravidando uma mulher, que eu concluí ser uma garota de programa. Quando nasce a criança, Sam coloca o nome de Lucy em homenagem aos Beatles – da música Lucy in the sky with diamonds, sacaram? – porém a mulher foge. Ele então passa a criar a menina (Dakota Fanning) sozinho.

Com o passar do tempo, a menina vai se desenvolvendo normalmente, até que sua capacidade intelectual supera a do pai. Após um incidente com o ái de um amiguinho da filha, Sam vê o estado lhe tirar a guarda de Lucy. Sem saber o que fazer, ele procura a ajuda de uma advogada, Rita (Michelle Pfeiffer), que o trata com descaso. Aqui entra uma das sutilezas que eu acho sensacionais desse filme: toda vez que Rita entra em cena, a imagem anha tons azulados e frios, mostrando a indiferença e o modo como ela trata Sam.

Lucy acaba sendo adotada por uma família, mas não consegue se adaptar à nova rotina. Aos poucos, Rita vai percebendo que mesmo que Sam não tenha entendimento e capacidade mental como os demais, ele consegue entender as coisas e viver sua vida normalmente. As cores frias aos poucos são subtituídas por cores normais. Não vou contar o final, porque detesto que o façam comigo, mas recomendo assistir ao filme com uma caixinha de lenços do lado. Especialmente quem tem filhos. Recomendação cinco estrelas.

“Você não sabe o que é tentar, tentar e nunca conseguir.”

“Tem a ver com paciência. Tema  ver com escutar. E tem a ver com amor.”

Anúncios