Que atire a primeira pedra a mulher que nunca achou que ia morrer de amor. Mas, como disse Ivete Sangalo “morrer de amor é brincadeira”. Tanto é que Claudia Tajes (sim, mais uma vez ela) fez outro livro sobre desaventuras amorosas do ponto de vista feminino. Eu sei que já comentei sobre A vida sexual da mulher feia e Dez (quase) amores, mas essa é uma leitura que sempre recomendo por ser bastante divertida e fácil.

Novamente, identifiquei trechos que facilmente poderiam ter sido vividos pela minha amiga Nanda. Mais uma vez a autora cria uma personagem com dificuldades de manter os relacionamentos e que se entrega de forma até irresponsável a suas relações. Recheada de trechos engraçadíssimos, a obra é uma ótima companhia para as férias; para uma leitura na beira da praia por exemplo. Além de tudo, Louca por homem está disponível tanto nas dimensões normais, quanto na versão pocket, o que facilita para tê-lo na bolsa e ler em salas de espera ou mesmo na praia.

“Mulher prática, minha mãe diagnosticou minhas lágrimas como problema neurológico, e não amor.”

“Pequenas coisas que fizeram de mim a pessoa que sou hoje. Uma canhota que só veste vermelho, come chuleta todos os dias e pode ser outra amanhã.”

“Em quinze anos de profunda observação da espécie masculina, eu jamais havia me deparado com tal perfeição.”

“A rotina e, mais ainda, as mães não tem qualquer condescendência com os apaixonados.”

“Quando você é muito jovem e decide ser professora, a tão logo você recebe o seu primeiro salário, a coisa certa a fazer é dar graças a Deus por ainda morar com seus pais.”

“Demorei uma hora e treze minutos até me considerar pronta. Afonso me esperava na cama, totalmente nu e higienizado.”

“O velho argumento dos pais sem argumento: a ironia.”

“Quinta-feira, dezesseis horas e quarenta e dois minutos. Havia acontecido novamente. Saí da loja amando um desconhecido.”

“Eu vivia uma entediante safra amorosa, daquelas de ouvir as letras das músicas mais românticas e não pensar em ninguém.”

“Homens do mundo todo, entendam uma coisa. Quando vocês notarem que sua parceira está estranhamente muda, ou evita olhar para o rosto de vocês durante a conversa, ou adota uma postura distante depois de ter participado alegremente das maiores sem-vergonhices, saibam que algo de muito grave aconteceu, pelo menos na visão dela. E o passo seguinte será o choro.”

“Pela primeira vez eu via de perto todas as virtudes masculinas que, até então, só conhecia da literatura para moças: cavalheirismo, experiência, refinamento e um grande repertório sobre o mundo e a noite.”

“Sempre tive a maior facilidade para me sentir forte diante de um fraco.”

“Como saber quando a verdade vai ser uma aliada ou não? Na dúvida, dei margem a uma interpretação positiva.”

“Como professora eu tinha mesmo por lição lidar com a ignorância dos jovens.”

“Quem já morou sozinha alguma vez deve imaginar o quanto é difícil a volta para a casa dos pais. Mais ainda na situação de mãe avulsa de um bebê recém-chegado.”

Livro: Louca por homem

Autor: Tajes, Claudia

Editora: L&PM (pocket) Agir (grande)

Páginas: 144 (pocket) 160 (grande)

Preço médio: R$ 14,00 (pocket) R$ 34,90 (grande)

Anúncios