Olá, seus lindos! (sim, acordei bem-humorada) Final de semana chegando e se você não está podendo gastar ou está com vontade de um programinha tranquilo a dois (eu estou, mas não será possível), tenho uma dica dupla para hoje. Vou começar pelo filme, muito elogiado pela minha amiga mais crítica, Paula.

Duas pessoas se conhecem em um dia, passam esse dia juntos e criam uma ligação que vai se manter por toda a vida. Esse é um resumo bem simples da história de Um Dia. Emma e Dexter se conhecem após a festa de formatura da faculdade e a história toda se passa sempre neste mesmo dia, ano após ano. Dexter vem de família rica e está mais interessado em festas, drogas, álcool e mulheres, enquanto Emma é uma jovem insegura que acredita que pode mudar o mundo. Mesmo tão diferentes, eles criam um laço muito forte e independente do que acontece, sempre acabam se cruzando neste dia. Eu diria que é uma história sobre amor e sobre tempo, mas especialmente sobre a perda de tempo. Bom, aqui o trailer do filme:

Bom, eu e a minha velha mania de ler primeiro o livro e depois ver o filme podemos dizer que desta vez o tiro saiu pela culatra. O filme é um amor, desses bem lindinhos que a gente (as meninas) vê na TPM com uma panela de negrinho e um balde de pipoca e a mensagem é muito bonita, mas não me tocou como deveria. A Paula adorou, então sei que foi porque “estraguei” lendo o livro primeiro. Demorei a entrar no clima do livro, porque sentia muita falta de saber o que aconteceu no dia seguinte, se  ela aceitou a proposta de trabalho, se eles se falaram… Mas gostei muito desta quebra que o autor propôs e garanto que a maior parte das dúvidas são solucionadas ao longo dos capítulos e o que não aparece realmente não é relevante para a história de Dex e Em. Aliás, a personalidade de Emma Morley é muito mais cativante nesta versão. O livro é apaixonante e posso dizer que me tocou muito (até chorei). Não é à toa que está há semanas nas listas de mais vendidos das livrarias. Aqui embaixo um aperitivo pra vocês. 😉

“Aquele fascínio por uma vida dedicada às sensações, ao prazer e a si próprio provavelmente se dissiparia algum dia, mas ainda havia muito tempo para isso.”

“‘Bincadeirinha’ era exatamente o tipo de coisa que as pessoas escreviam quando estavam falando sério.”

“Muita coisa tinha acontecido com ele, muito pouca tinha acontecido com ela.”

“O truque é usar o estímulo do álcool para compensar o abatimento das drogas; ele está se embebedando para ficar sóbrio, e quando você pensa a respeito é na verdade uma coisa bem razoável.”

“Tinha sido levado a acreditar, pela TV e por alguns filmes, que o lado positivo de uma doença era aproximar as pessoas, proporcionar uma abertura, um entendimento natural entre elas.”

“Essas namoradas são como peixinhos de aquário: não adianta dar nomes, elas nunca duram muito tempo.”

“Inveja é uma espécie de imposto que se paga pelo sucesso.”

“Nada no mundo podia ser mais melancólico do que a rejeição de um anel de noivado: ficou dentro da mala no quarto de hotel, emanando tristeza como se fosse uma espécie de radiação.”

“Existe um ponto no futuro em que até mesmo o pior desastre se transforma em piada.”

“Um casamento requer uma imensa reserva de amor, compromisso e licença do trabalho, às vezes até dos convidados.”

“Ter sido famoso, mesmo que não muito, e ter perdido tudo, envelhecido e talvez engordado um pouco parece ser uma espécie de morte em vida.”

“Achou melhor assim: era muito mais fácil ser sentimental para uma caixa postal.”

Livro: Um Dia

Autor: Nicholls, David

Editora: Intrínseca

Páginas: 416

Preço médio: R$ 29,90

Anúncios