Nem só de literatura estrangeira vive minha estante. Acho que nunca disse por aqui, mas eu gosto MUITO de vários autores brasileiros. Jorge Amado ocupa um local especial no meu coração, desde que li Capitães da Areia no colégio. Como toda boa gaúcha, não poderia deixar de ser bairrista e dizer que O Tempo e o Vento é uma obra prima da literatura brasileira e todos deveriam lê-lo ao menos uma vez na vida. Estou planejando reler toda a coleção em breve, antes do filme ser lançado.

Depois deste prefácio de autodefesa, vamos ao livro da semana. Lembram do curso de escrita criativa que divulguei aqui? Pois além de estar amando, estou com uma lista de recomendações de leituras ENORME. Então, resolvi arregaçar as mangas e botar mãos (e olhos) à obra. Optei por começar por Marçal Aquino. Posso dizer que este foi outro livro literalmente da semana, porque o li em apenas 4 dias. Comprei no domingo, comecei na segunda e na quinta de noite já havia me despedido de Lavínia e Cauby.

Esses são os personagens principais da história Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios que se passa numa cidade mineradora do Pará, que tem como pano de fundo a crescente tensão entre garimpeiros e a mineradora. Cauby é um fotógrafo que chega a cidade para produzir um livro com imagens desse povo sofrido do interior que tem como objetivo de vida encontrar uma pepita e mudar de vida. Lá ele conhece a misteriosa Lavínia e ambos se envolvem. A narrativa vai e volta no tempo, mantendo até as últimas páginas o mistério que envolve a situação atual do narrador (Cauby). Mesmo sendo um livro curto, a história nos prende pelo mistério e pelas tensões entre os personagens e o cenário.

Quem está achando o nome familiar, mas não sabe de onde, aqui vai uma dica: estreou neste ano no cinema a versão cinematográfica, com Camila Pitanga na pele de Lavínia. Lógico que fiquei louca para conferir. O livro me ganhou já nas primeiras páginas por citações arrebatadoras (na minha opinião) e compartilho algumas aqui com vocês:

“O amor é sexualmente transmissível.”

“O segredo, dizia Chang, o china da loja, não é descobrir o que as pessoas escondem, e sim entender o que elas mostram.”

“O que diferencia uma pessoa da outra, ele acrescenta, é o quanto cada um quer o que não pode ter. Nossa ração de poeira das estrelas.”

” ‘Há sempre um pouco de loucura no amor, mas há sempre um pouco de razão na loucura’ -, para depois contestá-lo, lembrando que na loucura dos amores contrariados não há espaço nenhum para a razão, apenas para mais loucura.”

“A grande desgraça é que as lembranças não bastam para confortar os amantes. Nunca aplacam. Ao contrário: servem só para espicaçar as chagas daqueles que foram condenados à lepra do amor não correspondido.”

“Uma felicidade sem futuro, como qualquer felicidade que se preze.”

“Atire a primeira pedra aquele que não estremeceu ao recuperar, nos lençóis encardidos da cama em que dorme solitário, o cheiro da mulher ausente.”

“A confiança, assim como a fé, tem parentesco com a sedução.”

“Geralmente, homem é melhor pra tirar a roupa do que pra vestir uma mulher.”

“Casais costumam estabelecer espaços particulares de comunicação, inacessíveis ao restante da manada humana ao redor.”

“… a vida da maioria das pessoas é medíocre, o que não as impede de enxergar tudo numa perspectiva heroica. Suportamos a existência tentando converter o banal em épico.”

“A esperança é o pior dos venenos…”

“Sentados na varanda, contemplamos um pô-do-sol inverossímil. Um flerte da natureza com o clichê.”

“Dá um bom livro, com certeza, como a maioria das histórias de amor. Um paradoxo: as mal contadas são as melhores.”

“Descobri que morrer não é assim tão fácil. Mesmo num lugar onde a vida pesava sempre menos que as pepitas.”

“As más notícias, assim como as andorinhas e as varejeiras, sempre voam aos bandos.”

“Gente esquisita, que vive alheia nas frestas da realidade. Só assim conseguem entregar-se por inteiro àquilo que consagraram como objeto de culto e devoção. Para viver num estado de excitação constante, confinados num território particular, incandescente, vedado aos demais. Uma reserva de sonho contra tudo que não é doce, sutil ou sereno.”

“Não sei que nome você daria a isto. Bem, não importa, chame do que quiser. Eu chamo de amor.” ❤ ❤ ❤ ❤

De lavar a alma, não?!

Livro: Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios

Autor: Aquino, Marçal

Editora: Companhia das Letras

Páginas: 229

Preço médio: R$ 32,00

Anúncios